Notícias

Cientista classifica um novo órgão no corpo humano

Um pesquisador da Universidade de Limerick, na Irlanda, revolucionou a anatomia ao propor em estudo (publicado na revista científica The Lancet Gastroenterology & Hepatology) que o mesentério seja classificado como um órgão dentro do corpo humano.
O estudo foi publicado em novembro de 2016, mas a partir de janeiro de 2017 o principal livro de anatomia humana, o Anatomia de Gray (não confunda com a série "Grey's Anatomy"), escrito por Henry Gray e até hoje usado em faculdades de medicina, foi atualizado incluindo este novo órgão.
O novo órgão tem a forma de leque e é uma dobra do peritônio (o revestimento da cavidade abdominal), conectando o intestino com o abdômen. Anteriormente, acreditava-se que ele era uma estrutura complexa e formada por partes separadas, mas usando um microscópio o professor Calvin Coffey percebeu que na verdade ele é uma estrutura contínua e propôs classifica-lo, portanto, como um órgão.

 

No entanto, apesar de a anatomia e composição deste órgão estar clara para o cientista, ainda falta estudar qual é a função dele. Com isso, será possível perceber quando este órgão funciona incorretamente e caracterizar doenças.
A esperança de Coffey, que leciona a disciplina de cirurgia, é que este novo órgão traga uma nova luz às doenças abdominais e digestivas e até ajude a tornar as cirurgias nesta região menos invasivas e com menos complicações. No entanto, ainda há muito o que se estudar. Coffey acredita que este novo campo de estudo envolva não só a gastroenterologia e a coloproctologia, como também a neurologia.

 

O que sabemos sobre o mesentério?
O mesentério é uma parte do peritônio e seus tecidos carregam artérias, veias, neurônios e glândulas linfáticas. Ele conecta essas estruturas do intestino com o restante do corpo. Atualmente sua função principal é manter os intestinos em seu devido lugar dentro do abdômen.
Ele normalmente é divido em duas partes: o omento, que circunda o intestino delgado; e o mesocólon, que envolve as diferentes partes do intestino grosso.
Hoje, já existem quadros de saúde ligados ao mesentério, como o desenvolvimento de cânceres neste órgão, principalmente no mesentério ligado ao intestino delgad. O principal sintoma destes casos são dores.
Existe também uma doença chamada isquemia mesentérica, em que há o estreitamento dos vasos sanguíneos da região, o que reduz o fluxo sanguíneo para o intestino, causando dores abdominais, náuseas e vômito. Se não for tratada, a doença pode trazer danos permanentes ao corpo.

 

MESENTÉRIO

Mesentério: novo órgão descoberto

 

 

FONTE: http://www.minhavida.com.br/saude/noticias/25226-cientista-classifica-um-novo-orgao-no-corpo-humano?utm_source=news_mv&utm_medium=hoje_no_mv&utm_campaign=4656147

Enxaqueca: Produção de substâncias inflamatórias gera a crise

Dor de cabeça ou cefaleia, termo técnico utilizado pelos médicos, é um sintoma tão frequente na população geral que se estima pelo menos uma crise de dor ao longo da vida para mais de 90% dos habitantes no planeta. E dentre as cefaleias mais comuns, aquela que mais leva o paciente a procurar auxílio médico é, sem dúvidas, a enxaqueca. E o que acontece com o nosso corpo durante a enxaqueca?

Primeiramente, enxaqueca é uma síndrome neurológica caracterizada por diferentes sinais e sintomas. Ocorre em indivíduos predispostos geneticamente, em particular, mulheres. Assim, existe uma relação estreita com as flutuações hormonais que ocorrem no período menstrual. Fatores ambientais como estresse, determinados alimentos (queijos amarelos, embutidos, chocolate) e privação de sono são outros fatores que, em pessoas suscetíveis, desencadeiam as crises de dor. Normalmente, uma enxaqueca clássica se inicia com sintomas visuais (como pequenos "vaga-lumes" que antecedem a dor), seguindo-se de uma forte cefaleia pulsátil, em apenas um lado da cabeça, com duração de até dias, piorando quando a pessoa faz exercícios e podendo vir associada a diminuição do limiar para estímulos luminosos e auditivos. Náuseas e vômitos também podem ocorrer.

Durante o episódio de dor, diversas regiões do cérebro estão funcionando anormalmente e o produto disto é a liberação no cérebro de mediadores inflamatórios, como citocinas e substância P. Outro dado interessante e que vem crescendo de importância é o papel da vitamina D, normalmente baixa em indivíduos com enxaqueca crônica. A vitamina D é um hormônio neuroprotetor que também tem ação anti-inflamatória.

No caso da "aura" enxaquecosa, definida como fenômenos visuais que antecedem a crise (pontos luminosos, apagamento de um campo visual, etc), elas geralmente acontecem por conta de uma onda de depressão alastrante, uma alteração elétrica no cérebro que tem origem em regiões posteriores e progride para regiões anteriores da cabeça. A aura é um sintoma de origem cortical que ocorre em 20% dos indivíduos com enxaqueca.

Assim, enxaqueca é uma síndrome com etiologia razoavelmente bem definida, fatores desencadeantes conhecidos e tratamento disponível. Na suspeita de enxaqueca, principalmente formas crônicas, é fundamental procurar o médico para um correto diagnóstico e manejo específico.

 

 

FONTE: http://www.minhavida.com.br/saude/materias/17985-enxaqueca-producao-de-substancias-inflamatorias-gera-a-crise?utm_source=news_mv&utm_medium=hoje_no_mv&utm_campaign=4656147

Ataques de pânico: O que fazer durante uma crise de ansiedade?

Os ataques de pânico são mais frequentes em pessoas portadoras de transtornos de ansiedade, como a síndrome do pânico e o transtorno de ansiedade generalizada, pois o pânico pode ser compreendido como um levar a ansiedade a limites extremos. Se fizermos uma pequena reflexão, a ansiedade também está relacionada com a antecipação de eventos que irão acontecer, principalmente com a possibilidade de "resultados ruins acontecerem" com o medo das coisas darem errado. Há então uma íntima relação entre ansiedade e pânico.

 

A frequência dos ataques de pânico irá depender de inúmeras variáveis, que didaticamente podemos reduzir a situações de ameaça: ameaças externas à integridade do indivíduo e ameaças internas (orgânicas, não raro desconhecidas ou não percebidas pelo paciente).

 

O pânico ocorre principalmente em pessoas de 14 a 45 anos e é mais frequente em mulheres do que homens, em uma proporção de 2 para 1. Produz grau elevado de incapacitação. 90% dos pacientes com pânico acreditam terem uma doença física na seguinte distribuição:
• 10% queixas gastrointestinais
• 15% desordens vestibulares, como vertigens e labirintoses
• 16% queixas cardiológicas
• 35% queixas de hiperventilação
• 30% queixas psíquicas.

 

O que fazer quando percebe que está tendo um ataque de pânico?
É muito importante não tentar lutar contra o pânico, pois este não é um mecanismo consciente, ele é decorrente de mecanismos automáticos cerebrais localizados em regiões automáticas ou não conscientes. Faz parte de um complexo sistema de defesa do organismo.

Mas a pessoa pode tomar algumas ações:
• Recorrer a técnicas de relaxamento, como meditação ou preces, por exemplo
• Usar qualquer técnica de distração como uma conversa suave, música suave, palavras que acalmem, massagem em regiões do corpo que produzem relaxamento
• Controlar da respiração. 

O controle da respiração, principalmente, é muito importante: inspirar lentamente e expirar lentamente, sem pressa. Em seguida, é recomendado o relaxamento de grupos musculares mais tensos (ir relaxando a face, a nuca e pescoço, os ombros, os braços, o tórax e assim sucessivamente). Um terceiro passo seria acomodar-se em local agradável, bem ventilado com vista o mais aberta possível e evitar locais fechados e abafados, afrouxar as roupas, sentir-se o mais confortável possível. 

 

Além disso, os pensamentos no momento do ataque são muito importantes. A matriz do pânico é o medo, e um medo incontrolável. Só quem já passou por um ataque de pânico entende o que estou escrevendo. É difícil conter esses pensamentos, por isso escrevemos todas as medidas anteriores para evitar os piores pensamentos. Dentre os piores temos o medo de morrer, o medo de perder o controle, a certeza de que algo muito ruim realmente irá acontecer, a certeza de que realmente estou muito doente e ninguém descobre ou me leva a sério, pois as sensações são reais.

 

Os pensamentos que devem ser priorizados nesses momento são aqueles que nos afastam do medo: a certeza lógica que é só uma ataque de pânico do qual não tenho controle, mas que irá passar; a fé de que nada me acontecerá de mal, a coragem para enfrentar situações adversas ("já passei por coisas piores e sobrevivi, vou sobreviver a esta também" - novamente a lógica tentando se impor sobre o "tsunami" ilógico do medo); tentar não ter medo do medo, e sim aprender com o medo. O medo existe para nos defender de algo e não para nos escravizar. O medo é nosso aliado e não nosso inimigo.

 

Quero acrescentar que essas são medidas imediatas e paliativas, até que a pessoa possa procurar um especialista competente, pois somente com o uso de medicamentos especializados pode-se tratar adequadamente uma síndrome de pânico.

 

 

FONTE: http://www.minhavida.com.br/bem-estar/materias/18153-ataques-de-panico-o-que-fazer-durante-uma-crise-de-ansiedade?utm_source=news_mv&utm_medium=hoje_no_mv&utm_campaign=4656147

Anvisa suspende distribuição de mais de 100 medicamentos

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determinou o recolhimento voluntário de uma série de lotes de medicamentos da marca Brainfarma. A suspensão foi divulgada no Diário Oficial da União (DOU).

 

A empresa já solicitou a suspensão da distribuição, da venda e do uso de determinados lotes. Os motivos da iniciativa não foram esclarecidos, mas, na publicação, fala-se em "medida de interesse sanitário".

 

Entre os medicamentos suspensos estão:

• AMOXICILINA 250MG/5ML PO EXT VD 1X150ML
• CORISTINA VIT C EFERVESCENTE 10CP
• DIPIRONA SODICA 1G COMP CT BL 1X10
• DORIL ENXAQUECA BL DISP 6X25X4 CPRV
• EPOCLER LIQ FLAC 12X60X10ML
• LORATADINA 10MG COMP CT 12 CP

 

 

FONTE: http://www.minhavida.com.br/saude/noticias/25221-anvisa-suspende-distribuicao-de-mais-de-100-medicamentos?utm_source=news_mv&utm_medium=hoje_no_mv&utm_campaign=4656147

Notícias e Eventos

Notícias antigas

Trabalhe Conosco

rhengeclinic.com

E-mails: engeclinic@engeclinic.com / comercial@engeclinic.com • Tel.: +55 (21) 3490-2666 / (21) 3896-6363 / (21) 2512-6552 • Engeclinic Serviços LTDA. Todos os direitos reservados.