Notícias

Sua memória pode ficar tão boa quanto a de um campeão de memorização, garantem cientistas

É possível melhorar a memória de uma pessoa e torná-la tão boa quanto a de um campeão mundial de memorização. Pelo menos é o que garantem cientistas holandeses, que garantem ainda existir um método simples para isso.
Exames indicaram que os cérebros de pessoas com memória prodigiosa não têm nada de especial em termos de anatomia, mas apresentam variações nas suas conexões.
Diante disso, os neurocientistas holandeses treinaram pessoas para que se tornassem tão boas quanto os campeões mundiais de memorização.
Elas conseguiram se lembrar de longas listas de nomes rapidamente e apresentaram padrões de conexões cerebrais similares aos dos "profissionais".
"Ter uma boa memória é algo que se pode aprender e para o que se pode treinar", disse Martin Dresler, do Centro Médico da Universidade de Radboud, na Holanda.
Dresler comandou uma investigação que escaneou cérebros de 23 vencedores do World Memory Championships (o Campeonato Mundial de Memória, realizado anualmente desde 1991), uma competição de esporte mental em que os concorrentes memorizam o máximo de informação possível em um determinado período de tempo.
Os resultados foram publicados na conceituada revista científica Neuron, especializada em neurociência.

 

A estratégia mnemônica
Se forem usadas técnicas de treinamento mnemônicas, "realmente será possível melhorar consideravelmente a sua memória, inclusive se ela for muito ruim", afirma Dresler.
As técnicas mnemônicas baseiam-se em formas simples de memorização e partem do princípio de que a mente humana tem mais facilidade de lembrar dados quando eles são associados a informação pessoal ou espacial do que se organizados de forma aleatória ou sem significado aparente para o indivíduo.
Mas essas sequências têm que fazer algum sentido - ou serão igualmente difíceis de memorizar.
Entre as técnicas usadas está a do Palácio da Memória - também conhecida como método de loci (lugar, em latim) - que era usada pelos grandes oradores da Antiguidade para fazer seus discursos de cabeça, sem nenhum tipo de apoio.
O método do Palácio da Memória consiste em criar um lugar imaginário, que pode ser inspirado num lugar familiar (como a própria casa da pessoa) ou totalmente fictício.
Valem lugares abertos ou fechados. O importante é conhecer bem o local e ter um número de detalhes compatível com o de itens que se tem para decorar. Casa local é usado como indicador visual para armazenar informação.

 

O estudo
Ao estudar os cérebros dos campeões de memorização, os neurocientistas fizeram ressonância magnéticas e mediram a atividade cerebral e as mudanças no fluxo sanguíneo.
Eles fizeram o mesmo com um grupo de voluntários da mesma idade e com coeficiente de inteligência similar ao dos campeões.
Os pesquisadores compararam então as imagens dos cérebros dos prodígios da memorização com as dos outros participantes do estudo.
Eles encontraram diferenças sutis nos padrões de conectividade várias regiões do cérebro. No entanto, nenhuma região específica destacou-se.
"Aprendemos que as diferenças neurobiológicas entre os campeões mundiais de memorização e as outras pessoas pareciam ser bem distribuídas e sutis", explicou Dresler.
Os cientistas treinaram outros participantes do estudo, que tinham uma capacidade de memorização mediana, para verificar se conseguiam melhorar suas habilidades.
Alguns aprenderam as técnicas usadas pelos campeões, outros foram ensinados com métodos que não eram mnemônicos e um terceiro grupo não recebeu nenhum treinamento.
Depois de seis semanas com 30 minutos de treinamento diário, todos os participantes passaram por novas ressonâncias cerebrais.
O resultado foi que os pesquisadores viram um aumento notável na capacidade de memorização das pessoas que usaram as técnicas dos campeões de memória.
"Elas realmente desenvolveram padrões cerebrais que nos lembraram aqueles vistos nos competidores", disse Dresler.
"Esse padrão específico na conectividade do cérebro parece ser a base neurobiológica de um desenvolvimento melhorado e superior da memória".

 

Técnica Antiga
O neurocientista alemão Boris Nikolai Konrad, que detém dois títulos mundiais no Livro Guinness dos Recordes, teve o próprio cérebro escaneado para a pesquisa e treinou os principiantes.
Konrad memoriza 201 nomes e rostos em apenas 15 minutos, assim como 21 nomes e datas de nascimento em dois minutos.
Apesar disso, ele diz que nasceu com uma habilidade excepcional.
"Quase fui reprovado na escola porque não conseguia lembrar o vocabulário nas aulas de inglês", disse à BBC.
"Levei um tempo para descobrir o que me ajuda na hora de memorizar e particularmente conhecer estas técnicas de memorização", acrescentou.
"A ideia de melhorar a memória realmente me encanta. Ainda não entendo porque não ensinamos isso mais às crianças, aos adultos. Acho realmente útil."
O professor Michael Anderson, do departamento de Neurociência da Universidade de Cambridge, que não participa da pesquisa, lembrou à BBC que os métodos para melhorar a memória são conhecidos desde os tempos dos antigos gregos.
"Dresler e Konrad não apenas ilustraram elegantemente como esta técnica de memorização pode ser ensinada e treinada, mas também deram um passo importante para identificar mudanças que ocorrem no cérebro quando ela é adotada", destacou.

 

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/sua-memoria-pode-ficar-tao-boa-quanto-a-de-um-campeao-de-memorizacao-garantem-cientistas.ghtml

Março Roxo - Epilepsia sem Preconceito

Apesar de pouco se falar sobre o assunto, entre cada cem pessoas, uma a duas tem epilepsia, segundo a Associação Brasileira de Epilepsia (Abe). A doença, que geralmente é diagnosticada na infância e na adolescência, pode surgir por vários motivos: uma lesão congênita (presente já no nascimento ou causada por diversos fatores, como abuso de álcool ou drogas ou uma forte batida na cabeça), um problema que ocorreu antes do parto, malformações do cérebro ou por causa desconhecida.
A epilepsia é um distúrbio da atividade elétrica do cérebro. O sintoma mais conhecido da doença é a crise convulsiva. Mas também podem ocorrer as chamadas ausências, em que a pessoa fica com o olhar fixo e perde contato com o meio por alguns segundos. Já nas quedas, o corpo fica totalmente amolecido, e nas crises de alerta, o indivíduo faz movimentos automaticamente, sem controle dos atos.
Falar sobre a epilepsia ainda é um tabu e é isso que o casal Priscila Krieger e Emil Chartouni, de Blumenau (SC), querem combater. Eles são pais de uma menina de cinco anos, portadora da doença, e criaram o movimento Março Roxo, que busca combater o preconceito e informar a sociedade sobre a doença. "Fomos apresentados à epilepsia quando a nossa filha, então com nove meses, foi diagnosticada com a doença. Foi um choque! Apesar de ser bem difícil, procuramos uma neuropediatra especialista na área e fomos descobrindo como conviver com o problema e buscamos combater o preconceito", diz Priscila.
Com o apoio de diversas empresas e entidades de Blumenau, o Março Roxo conseguiu ter sua primeira edição, tendo também apoio em massa tanto da iniciativa pública quanto da privada, com uso de camisetas, laços e luzes, bem como material com informações do movimento.
A ideia surgiu quando um laboratório retirou do mercado sem qualquer aviso um medicamento que utilizado no controle da epilepsia, gerando revolta tanto em pais quanto nos médicos. A escolha da cor veio do Purple Day (esforço internacional dedicado a aumentar a consciência sobre a epilepsia em todo o mundo), sendo também instituído no dia 26 de Março pela Câmara de Vereadores de Blumenau, Santa Catarina. Vereadores de Blumenau em 26 de março do ano passado e neste ano aconteceu à primeira edição.
As atividades do movimento vão desde palestras com médicos a ações nos principais pontos da cidade, contanto também com diversos profissionais para desmistificar a doença e mostrar que ela não contagiosa. A ideia é acabar com o preconceito, já que raramente um epilético assume a condição justamente por causa do preconceito que sofre.
Caso você esteja próximo a uma pessoa em meio de uma crise epilética, algumas dicas são importantes para o seu amparar. Priscila nos dá algumas dicas de como deve ser feito o socorro: "Primeiramente é preciso ter calma para auxiliar a pessoa que esteja sofrendo uma convulsão. Deixe a pessoa acomodada no chão, para evitar queda. Coloque um travesseiro ou um casaco para que ela fique mais confortável e não se machuque. Afrouxe a roupa apertada, relógios, ou sapato. Deixe a pessoa de lado, para que ela respire mais facilmente. Não coloque nada na boca do epilético, pois pode estimular o vômito, o que só piora a situação. Se a pessoa estiver de lado, não haverá aspiração. Conte o tempo de crise. Se ela passar de três minutos, entre em contato com médicos, SAMU ou Corpo de Bombeiros e peça ajuda. Quando a crise passa, é normal que a pessoa fique um pouco desorientada, por isso não a deixe sozinha”.
Para ter mais sobre o Março Roxo? Confira a Fan Page do movimento clicando aqui! Apoie a causa!
 
laco roxo cancerm
 

Método com laser e bactérias marinhas trata câncer de próstata

Um novo método promete tratar o câncer de próstata sem efeitos colaterais. O tratamento inovador utiliza lasers, bem como um remédio feito de bactérias marinhas para eliminar os tumores e já é considerado um avanço significativo no combate à doença. De acordo com o estudo publicado recentemente na revista científica The Lancet Oncology, a abordagem foi completamente efetiva em quase metade dos pacientes submetidos a ela.
As terapias disponíveis atualmente envolvem cirurgia e radioterapia e, frequentemente, deixam como sequelas a impotência e diferentes graus de incontinência urinária. Isso é uma das razões pelas quais muitos homens demoram para procurar tratamento. “Isso [o novo tratamento] muda tudo”, explica Mark Emberton, cientista e médico que testou a nova terapia no University College de Londres, na Inglaterra.

 

Abordagem inovadora
O medicamento utilizado no novo tratamento é feito de bactérias que vivem em regiões profundas do oceano, praticamente na escuridão, e que ativam suas toxinas quando expostas à luz. A intervenção com o laser é feita através da inserção de dez fibras óticas na região do períneo – o espaço entre o ânus e os testículos para alcançar a próstata.
A ativação dos laseres estimula o medicamento injetado na corrente sanguínea, responsável por “matar” os tumores. Os testes clínicos, realizados em 47 hospitais europeus com 413 pacientes mostrou que 49% dos pacientes entraram em remissão completa após o tratamento. Posteriormente, apenas 6% dos homens precisaram ter a próstata removida, em comparação com 30% dos pacientes que não foram submetidos à nova terapia.

 

 

FONTE: http://veja.abril.com.br/saude/metodo-com-laser-e-bacterias-marinhas-trata-cancer-de-prostata/

Colírio que pode impedir diabéticos de ficarem cegos é desenvolvido pela Unicamp

Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp, acabam de desenvolver um colírio capaz de proteger a visão de quem tem diabetes. O medicamento previne a retinopatia diabética, uma complicação causada pela alta taxa de glicose no sangue, que pode causar cegueira.

 

Como o colírio previne a cegueira
Retinopatia diabética
A glicemia elevada, característica do diabetes, tem efeito tóxico sobre os vasos sanguíneos da retina, parte do olho responsável pelo processamento das imagens. Com o passar do tempo, esses vasos sofrem alterações e pode haver diminuição do aporte sanguíneo na região e hemorragia.
É assim que se instala a retinopatia diabética, a principal causa de cegueira entre a população economicamente ativa de países desenvolvidos. As chances de ela aparecer aumentam com o tempo. De acordo com estudos, a probabilidade da doença depois de 20 anos convivendo com diabetes é de 100% e 60% para diabetes tipo 1 e tipo 2, respectivamente.

 

Colírio contra cegueira: como age?
De acordo com entrevista da professora Jacqueline Mendonça ao site da Unicamp, o principal diferencial do novo colírio é sua capacidade de atravessar as barreiras oculares e chegar até a retina, onde o princípio ativo atuará.
Atualmente, apenas métodos invasivos, como a fotocoagulação com laser, as injeções intravítreas e cirurgias são capazes de fazer o mesmo. Outro benefício do colírio, segundo a pesquisadora, seria a ausência de riscos, uma vez que a via de administração é muito mais inofensiva.
Aplicado nas fases iniciais da retinopatia diabética, antes mesmo de ela ser detectada nos exames, o colírio tem efeito protetor sobre a região, impedindo as alterações causadas pela alta glicemia. A professora estima ainda que a droga poderá ser útil no tratamento de outros acometimentos isquêmicos da retina, como o glaucoma.

 

Quando o colírio estará disponível?
A pesquisadora e seus colegas encontraram resultados promissores em estudos feitos com ratos diabéticos, mas ela reforça que há necessidade de testes em seres humanos antes que a droga chegue à população. De acordo com informações do site de notícias G1, eles serão divididos em duas etapas: na primeira, o colírio será usado por pessoas saudáveis para verificar sua segurança e, na segunda, ele será aplicado em diabéticos a fim de testar sua eficácia. Se tudo sair como o previsto, espera-se que o colírio chegue em cinco anos ao público em geral.

 

FONTE: http://www.vix.com/pt/saude/537994/colirio-que-pode-impedir-diabeticos-de-ficarem-cegos-e-desenvolvido-pela-unicamp?utm_source=facebook&utm_medium=manual&utm_campaign=BDM

Notícias e Eventos

Notícias antigas

Trabalhe Conosco

rhengeclinic.com

E-mails: engeclinic@engeclinic.com / comercial@engeclinic.com • Tel.: +55 (21) 3490-2666 / (21) 3896-6363 / (21) 2512-6552 • Engeclinic Serviços LTDA. Todos os direitos reservados.